ARMANDO NUMA CIDADE LIVRE DE ARMAS NUCLEARES*

                                               “Unless they paying your bills,

                                                 Pay them bitches no mind”

                                                                               RuPaul**

  Para o Pedro Craveiro

 

Sempre me disseram o que devia ou não dizer. Sobretudo, o que deveria evitar dizer!

     Ingremes eram os meus dias monótonos, calçadas melancólicas de dias de omissão.

Sempre sonsas saladas sem sal ou sol. Tentei de tudo, tentei amar os dias rotineiros do

     Suave trabalho repetitivo, na firma que me prometia tudo, menos um salário digno!

  Young, forçava o meu andar de macho para caminhar e recolher o respeito alheio.

 

Torturados os dias, hirtas bagas atiradas por deuses cruéis, ultrapassei a porta e, sem

     Hora definida, lentamente ergui a espinha de peixe. Saíram-me os testículos da

Amplitude do meu ser. Consegui, mastigadas e sobrepostas as horas de silêncio, ter

     Tudo aquilo que sempre quis: um caminho plano e cheio de pétalas de cor rosa.

 

Wagner ritmava com as cigarras da cidade, era tempo de crescer, e, ao mesmo tempo,

     Assinava a liberdade em desfile ondulante, como se fosse uma fresca alga do mar.

LIPSYNC FOR YOUR LIFE! Ouvi, em saltos altos, frente à morte na desforra. E a antiga

     K7 repetia a performance, vezes sem conta, registado já, o meu passo livre!

*https://www.youtube.com/watch?v=lMKjCXO2Qfg

**https://www.youtube.com/watch?v=M4d20Tyzlv0

Louis Bouwmeester as Oedipus, Oedipus Rex, c. 1896.

"Voltar a casa" de Paul Celan

1425346398-2229661a_orig.jpg

Tradução: J. Carlos Teixeira

Voltar a casa

Queda de neve, cada vez mais densa,
em tons de pombo, como ontem,
queda de neve, como se ainda agora estivesses dormindo.

Lá no fundo, branco ao montes.
Acima dele, eterno,
a pista de trenó dos perdidos. 

Por baixo, escondido,
erguem-se ao alto
o que tão aos olhos magoa,
colinas e colinas,
invisíveis. 

Em cada uma delas,
trazidas para casa no seu hoje,
um Eu escorregando no silêncio:
de madeira, uma estaca.

Ali: um sentimento,
chega no sopro do vento gelado,
que amarra a cor de pomba e de neve
ao pano da bandeira. 

In Sprachgitter (1959)


Heimkehr

Schneefall, dichter und dichter,
taubenfarben, wie gestern,
Schneefall, als schliefst du auch jetzt noch.

Weithin, gelagertes Weiß.
Drüberhin, endlos,
die Schlittenspur des Verlornen.

Darunter, geborgen,
stülpt sich empor,
was den Augen so weh tut,
Hügel um Hügel,
unsichtbar.

Auf jedem,
heimgeholt in sein Heute,
ein ins Stumme entglittenes Ich:
hölzern, ein Pflock.

Dort: ein Gefühl,
vom Eiswind herübergeweht,
das sein tauben-, sein schnee-
farbenes Fahnentuch festmacht.

In Sprachgitter (1959)

Lição de história do Jean Pierre

para Jean Pierre De Roo

Luís XVI
não gostava
de fazer amor
por isso a rainha
uma senhora
de enorme vitalidade
tinha muitos amigos

Luís XVI
gostava
de relógios
de os montar
e desmontar
e assim passava
dias felizes em Versalhes
enquanto a esposa
socializava

Luís XVI
tinha dois primos
que muito o superavam
em idiotice
um russo
e outro alemão
crianças inquietas
sem paciência
para a minúcia
da relojoaria
quando um relógio
deixava de funcionar
quebravam-no

o que nos traz
um pouco mais próximo
da nossa presente situação

Enfermaria 6: Leitura de poesia

jhyTTVO9cId0lgd2IFA0Bj1uzZ6.jpg

Dia 1 de Fevereiro, pelas 18 horas, na livraria Flâneur Bruno M. Silva, Francisca Camelo, J. Carlos Teixeira, José Manuel Teixeira da Silva, José Pedro Moreira, Pedro Braga Falcão, Rafael Mantovani, Tatiana Faia e Vítor Teves revezam-se na declamação de gesta heróica servo-croata na língua original. É possível que leiam também alguns versinhos seus.

A MINHA CONA SABE A PEPSI COLA

“I know your wife and

    she Wouldn’t mind”

              Lana Del Rey

 

Sabes bem o que dirá a Lourdes das Couves
quando sair da Missa das 10h, depois de, com
aqueles olhos enormes de coruja velha, fo-
tografar toda a roupa vestida pela vizinha:
um sapato alto, novo, vermelho, que feio!
A mala era pele de tigre ou girafa e o pobre
miúdo era, entre todos, o mais mal vestido
!
Ir à missa sempre foi uma missão de risco,
encontrar beatas e puritanas que nunca
levaram com uma bofetada decente nas
fuças. Mas, enquanto há tempo há vida! 

Eu era a puta, a puta, porque não ficava
em casa, porque preferia sair e tomar a
maldita Pepsi cola que a cabra viu um dia.
A beata, Maria das couves, espalhou pela
Vila que eu bebia Whisky! Tinha, segundo
ela que participar na cartografia da rua:
quem saía, com quem saía, como saía,
que vestia, que comprava,
e não ficava
por aqui o relatório! “Grande vaca!” era
eu a pensar já na cama de Castigo, um
castigo imposto por uma mãe que lhe dava 

 ouvidos. Velhaca, não há palavrões que 
cheguem para lhe atirar, hoje, à cara.
A partir daquele dia nunca mais bebi
Pepsi cola! A minha cona deixou de ser
doce para o bico do marido dela, que
me cobiçava, feito Bulldog, quando eu
passava. Como rapariga rebelde, que
sou, passei a beber do amargo Whisky!
Ser Puta, por meio copo, mais vale ser
Puta por copo inteiro. A grande Vaca!

 

                                              Barbara Stronger

                                                             04.01.2019

joan-crawford-pepsi.jpg

Joan Crawford & Pepsi