Tirbuson

 Fotografia de Savina Akoumianaki

Fotografia de Savina Akoumianaki

Eu tinha um saca-rolhas, para as garrafas de vinho. Ainda me lembro da cor. Era Bordeaux. O tom escuro de vinho tinto que me agrada tanto. Não tenho a certeza se essa cor muda com o tempo. Isto normalmente é o que acontece com as pessoas. Quero dizer, o tempo muda as pessoas. O pior é que não me lembro como me veio parar às mãos, se foi um presente de um ente querido. Lembro-me que uma vez vi uma faca pequena numa loja velha numa rua chuvosa. De um lado da faca estava escrito: “Talvez a minha dádiva seja uma que é pequena, mas tem cuidado porque se a perderes, vais perder-me a mim também.” Mas eu estava a falar do meu saca-rolhas, o meu primeiro e o único – até aqui – Tirbuson. Não me lembro se o comprei à pressa para abrir uma garrafa de vinho no Verão. Talvez este saca-rolhas me tenha pertencido só porque tive pressa de provar vinho com amigos ou com alguém de quem gostava, mas já não me lembro quem eram. Esta é a minha pena. Nem sequer me lembro se o encontrei na rua, esquecido por outro pessoa ou se o agarrei como um troféu de guerra. E se era uma relíquia de família? No caso de ser “um prémio de bravura”, gostava de saber em que guerra participei. Será que a venci para receber este tesouro? E se sim, quem eram os meus inimigos? Que lado era o certo? Espero que o meu fosse o certo, para que não tenha insultado a vontade de certos deuses zangados.


Tirbuson

I had a wine-bottle opener. I still remember its colour. It was Bordeaux. It is the dark shade of red wine that I like so much. I’m not sure if its colour changes by the touch of time. This is usually what happens to people. I mean time changes people. The worst thing is that I don’t remember how it came into my hands, if it was a present from a loved one. I remember once I saw a small knife in an old shop on a rainy street. Written on the one side of the knife were these words: “Maybe my gift is a little one, but be careful because if you lose it, you will lose me too.” But I was speaking about my wine-bottle opener, my first and only one – until now – Tirbuson. I don’t remember if I bought it hastily in order to open a bottle of wine during the summertime. I bought it from a really cheap supermarket, maybe the only one open at the time. Perhaps this wine-bottle opener belonged to me only because of a hurry to taste the wine with friends or someone I liked, but I don’t remember who it was anymore. This is my sorrow. I don’t remember even if I found it in the street, forgotten by another person or if I took it as a trophy of a war. What if it was a family heirloom? In case it is "an award for bravery", I would like to know which war I have participated in. Did I win it in order to receive this treasure? And if so, who were my enemies? Which side was the right side? I hope mine was the right one, so I haven’t insulted the will of some angry gods.

Tradução: Tatiana Faia, em colaboração com a autora