Autores convidados em Outubro

Frederico Klumb

Frederico Klumb é um escritor, poeta e cineasta brasileiro, nascido no Rio de Janeiro em 1990. Publicou, entre outros, os volumes ‘máquinas mancas da manhã’ (Edições Garupa), ‘Almanaque rebolado’ (Azougue, Cozinha Experimental e Edições Garupa) e ‘bichos contra a vontade’ (7letras).

Um pouco de seu trabalho em vídeo pode ser visto em sua página pessoal no Vimeo: vimeo.com/user43080611

Tonia Tzirita Zacharatou

Tonia Tzirita Zacharatou nasceu em Creta. Presentemente vive em Tessalónica, onde trabalha no seu projecto de doutoramento. Estes são os seus primeiros passos para fora do quarto.

No cais do Potomac, WV

Andar e molhar os pés na Virgínia Ocidental
e uma hora antes
andar e molhar os pés em Washington
a água estende-se
atravessa a cidade falsa de mármore branco
atravessa o cais mais próximo de Arlington
atravessa o limiar das ruas de Georgetown
atravessa o bar de whiskey com cem espelhos
atravessa a livraria repleta de mapas do século XIX
atravessa-me a mim
atravessa o meu corpo
colado à montra da padaria dos pescadores
que observa
os rolos de canela feitos na hora
queijo filadélfia branco e açúcar de cana
Os americanos chamam a isso topping
e só o Potomac fica indiferente
ao whiskey fumado de centeio
ao cheiro dos fritos das roulottes de corn dog
e ao topping do meu último pequeno almoço

No Harpers Ferry o cais do rio Shenandoah enternece
sobrevive sem os cadeados de amor
sem a proeza das trotinetes alugadas por uns minutos
através de uma app qualquer
o cais atrai milhares de insectos nocturnos
os insectos nocturnos conhecem bem o Shenandoah
os mesmos insectos dedicam a vida toda ao Potomac
às pedras lisas
aos poços de água parada
aos buracos entre os parafusos gastos da Key Bridge

A vida curta desse insectos
é um acto de amor rastejante
um topping entomológico
em cima do rio Potomac
até a baía de Chesapeake

O canto do fogo

Aos meus hóspedes de Piégon

 cavar um buraco
cobri-lo com galhos
andar devagar
assobiar
e cair enfim
nessa briga empedernida
são qualidades dignas
das próprias ficções
da lareira de Piégon
e da sua boca de fogo

uma câmara hipnótica
de um desejo irrefreável
uma reserva natural onde
as labaredas azuis e amarelas
acarinham
confortam
acariciam
acalentam
quem chegar mais perto

E o que é o amor
se não for a forma
mais alta de contenção
de lisonjear
de rubificar
de cobiçar
de irradiar
o calor necessário
do primeiro fogo do ano
quando quatro amigos
inventem  jogos de palavras
numa noite de chuva
que vai estrear
a noite de Halloween

 


Eftychia Panayiotou, «Pouco antes de te levantares»

Tradução de Michel Kabalan

Pouco antes de te levantares

 Não me digas que não quiseste penas de pavão,
um vestido a arrastar pela pista da valsa.
E se o palpitar do coração te roubasse a coroa
quando o mais ousado te olhou nos olhos,
Não digas que foi ele o conquistador

Ele estava já ajoelhado.


Λίγο πριν σηκωθείς

 Μην πεις πως δεν πόθησες τα φτερά του παγονιού,
ένα φόρεμα να σκουπίζει την πίστα με βαλς.
Κι αν την κορόνα σού έκλεψε τελικά το καρδιοχτύπι
όταν σε κοίταξε στα μάτια ο τολμηρότερος,
μην πεις πως ήτανε κατακτητής·

στα γόνατα είχε πέσει.



Sobre a autora

Eftychia Panayiotou (Chipre, 1980) é uma poeta e tradutora de poesia (Anne Sexton, Anne Carson, Lord Byron, William Blake, Percy Bysshe Shelley). Já publicou 3 livros de poesia: μέγας κηπουρός, 2007(O grande jardineiro), Μαύρη Μωραλίνα 2010 ( Moralina Negra),e Χορευτές 2014 (Dançerinos). Ela também trabalha com poesia visual (videopoetry) e poesia sonora (soundpoetry).

Breve ensaio sobre a chegada

1.

 A terra crestada está ali em frente
com as últimas ondas que rosnam
e insistem em seu imprevisível gesto.

Logo o porto se alarga
como goela de animal ferino

e essa pátria ainda sem palavras
abre suas fauces para nós
incrédulos

tomados pelo medo do rapto.

2.

Tanta vida gasta até essa linha
até essas pedras lisas:
Europa, vejo teu rosto limpo
e largo,
no meio da bonança
enquanto o animal ainda está adormecido

então torço com todas as forças:

oxalá a borrasca que sabemos
sempre próxima
a explosão da língua inimiga
não passe de uma ranhura
no assoalho, o estranho esgar
do vento no telhado.

3.

 Para essa terra de abandono
migramos,
carregando o que sobra
do despojo:

nosso rosto virado
rumo ao sol,
rebojo de poeira e vento
na seca

e uma flor, pelo menos,
pelo menos uma flor
aberta apesar da fome

- aquela, que nos sobrevive
e demora

4.

 Entre os trilhos para Ventimiglia
vejo um corredor de ruínas:

ferrugem, chicória e ervas daninhas
os prédios rachados
- áridos, quase cactos
pela maresia

nesse limbo entre duas terras
há uma calça estilhaçada
e um sapato solitário
deitado, como corpo violado

são as relíquias de outra guerra
onde a bomba é o carimbo
e o míssil é a fronteira imaginária

mais adiante
o tesouro saqueado:
a mala aberta
como boca desdentada

a pátria portátil jaz no trilho

logo o trem se moveu na estação,
a mala foi ficando pequena
e longínqua, debaixo do sol cortante

não foi possível ver
o que brilhava dentro dela
- um alfinete
talvez algum pente de nácar:

aquele brilho insólito
que enfrenta as dunas do deserto

- um profeta no meio da devastação.