GALILEU e outros poemas

“Quando a opressão aumenta

Muitos se desencorajam

Mas a coragem dele cresce.”

                - Bertold Brecht

 

 

GALILEU

- COM VERSOS DE KAVAFIS-

 

“O ídolo acabou em cinzas;

   prà vassoura do lixo”

                   - Kavafis

 

Galileu, o miúdo irritante, deu um pontapé

na alta estátua de Zeus. Por isso,

obrigaram-no a sentar-se nas aulas

de reeducação clássica da Flup.

Com os braços cruzados

recusava-se a tirar notas.

“Que fique para ali até que o sangue

lhe corra pelas orelhas. Para que obedeça

a Zeus e ao seu Sumo Sacerdote -  Eu, Julião”

 

E irritado, Galileu saiu-se com esta frase:

“Não leio Her Christiaan Huygens para não me influenciar!”

O sacrilégio e o riso foi geral na turma!

Quem era aquele puto para negar Zeus,

os antigos Deuses, o Sol?

 

O sumo sacerdote do seu alto, numa

mistura de doçura e malicia, sorria. Tolerava a rebeldia, mas

não sabia o que queriam dizer as palavras de Galileu.

Diziam, nas entrelinhas, outra história:

“Respeito-te, mas não te presto vassalagem, porque

a terra é redonda e o tempo gira.”

 

Minutos depois, Galileu, novamente irritado, repetiu

nova sentença, sem que ninguém esperasse:

“Não leio Her Christiaan Huygens porque sou fiel!.”

De todos foi chacota!

O ímpio Sacerdote irritou-se

e nervoso gritou: “tirai-o, expulsai-o,

levai já esse merdas daqui.”

 

Ninguém percebeu Galileu!

(não percebeste

pois se percebesses, não repelias o que lias) -

nunca o liam nas suas entrelinhas -

com aquela frase queria dizer, Galileu,

que era fiel à sua Liberdade (a livre escolha)

e à sua Natureza: questionar todos os poderes!

E sem tardar, vieram os seguranças expulsá-lo

do esbelto e altíssimo Palácio da Ventura.

 

À saída, o miúdo escreveu, num guardanapo,

a seguinte nota, uma a ser entregue ao sumo sacerdote:

“Peça a minha cabeça, pois é a mais pesada,

 a que, de entre todas, tinha alguma massa cerebral,

e não um mero recipiente espelhado!”

 

E no reverso do papel acrescentou:

“Cortai minha cabeça e aparecerão dez mil!”

         O que será muito, muito Pior!

 

A (DES)ORIENTAÇÃO

 

“O enfermeiro dá uma injeção

 a Stan Smith, o Dad”

                     - Vítor Teves

 

Depois de apresentar as linhas do trabalho que fiz

no pouco tempo que tinha

esperei pelos comentários construtivos que não apareceram.

Calado frente à fila de professores

gente que aprendera, muito cedo, a boa arte de engolir

ouvia-os

brincavam como crianças birrentas ao jogo dos egos:

 “O meu ego é maior que o teu!”

“Não, não, desculpe, mas o meu é que é maior que o teu!”

“Desculpe, mas não concordo. Eu é que sei!”

“Mas não leu o autor x, meu caro?!”

“Oh meu caro, desculpe, mas isso não disse X no passado!”

“Desculpe, mas continuo a dizer-lhe que o meu ego é o

maior, o Maior. Sou o Maior!”

“Mas o meu ego é, sim, maior que o teu!”

“Se fosse seu orientador dava-lhe três injeções e isso ia lá!”

“Desculpe, o ego é meu, o aluno é meu!”

“Com toda a delicadeza, não se ofenda. Mas o meu ego é maior!”

 

Sentado

como se esperasse um Calipo vermelho que

nunca mais chegava

ia observando o chinfrim.

Quem me dera ser um aluno desmiolado distraído

um que que não observasse todas as boas subtilezas.

 

Estar na Academia é melhor que ler Crime e Castigo

mas qual foi o meu crime?                                                 

 

 

O BOM PADRE

 

O bom padre é aquele que apregoa

aquilo em que ele próprio não acredita.

Apregoa a diversidade mas nega-a

no seu íntimo. Ser padre é isso!

 

Ser padre é tornar-se mero artifício do hábito.

Cantar feito ave mecânica (um cuco que

sai do velho relógio) na hora certa.

Apregoar alto aquilo em que não se acredita.

 

No fundo o bom padre quer a hierarquia

dos bons nomes definida: Pai no altar-mor

Filho sentado na nave central e o Espírito Santo

no hall da igreja. Haja ordem!

 

Um mundo de misturas é uma confusão!

E quem gosta de confusão? Ordem, diz o juiz!

                                                 

  

SARNA

 

“Run boy run! Break

 out from society”

         - Woodkid

 

Manoel de Oliveira foi uma seca até morrer,

depois virou extraordinário!

A Joana só usa croché, é pirosa, e

o Walter só escreve palavrões.

Foi na aula em que o professor anunciou:

“ele é assumidamente homossexual”

A SSU MI DA MENTE! Como se o Vesúvio

estivesse quase a explodir. E? Sabia tão mal

disfarçar a sua homofobia como sabia tão bem

a caderneta de cor.

A Amália é que era boa!

Triste Sina!

 

Portugal nunca foi racista!

Nunca matamos pretos,

toda a gente sabe que nunca matamos pretos,

Sempre fomos pacifistas!

No tempo de Salazar é que era bom!

 

Esses jovens são todos uns idiotas,

não leram nada, não sabem nada!

E os velhos são todos como os

padres: puros doces inocentes.

“O meu filho é um Santo Homem,

Sempre amou o Senhor, dá-se todo!”

(Até demais!)

 

 

As mulheres de limpeza são porcas

linguarudas e preguiçosas como

todos os funcionários públicos.

Assim é o puto da pastelaria que

nunca se despacha, uma matraca!

 

Vamos lá! Eu tenho uma vida!

O jogo está quase a começar!

 

 

A EMPRESA  “Academia dos Insetos”

 

“Abuse of power comes

     as no surprise”

                 - Jenny Holzer

 

“O patrão Vasques

          é a Vida”

            - Bernardo Soares

 

Um inseto sensato define Academia:

Seres sentados à sombra da Bananeira

sugando a grande e Majestosa Teta. Com

o peso caduco dos seus corpos tentam em

vão estancar o sangue do rio que corre ou

parar todo aquele que lhes faça frente.

 

Mesmo que o inseto venha apenas anunciar 

numa pequena e delicada estrofe que da

grande e velha vaca já só resta a carcaça.

 

Right Eye from a Greek statue, 500–100 BC.jpg

Olho de uma estátua Grega, séc. 500-100 a.c.

 

 

 

 

ENDEUSO-ME e outros poemas de igual calibre

 “Peçam a grandiloquência a outros
Acho-a Hiperpulha no estado atual”

                             - depois de Assis Pacheco

 

 “Melhor um pardal vivo do
  que uma águia empalhada”

                          - Edward Fitzgerald

 

  “O grande inimigo da Arte é o Bom Gosto”

                             - Marcel Duchamp

 

ENDEUSO-ME

 

“Afinal, o avião de papel era um
retrato de um ilustre; vincado
 e atirado ao bidão do lixo.”

                      - Vítor Teves

 

E só de bife vive o crítico”

            - depois de  JMFJ

 

Endeuso-me
de segunda a sexta-feira
com os olhos fechados. Bem fechados
como aquela minha gaveta cheia de
inesquecíveis memórias de papel
amigos e amigas gente ilustre
um mini cemitério de Dostoievksi
que rego manhã cego junto com as plantas.
E sentadinho aqui neste meu sofá
vejo a erva crescer lentamente
enquanto estico as pernas. 

Hoje chegou-me a reforma
choruda como convém aos da minha geração
e assim de barriga cheia (com o tal bife) e pantufas fofas
vou sentar-me à secretária
e ao som do cravo de Bach
escrever frases sobre a Realidade.
A minha vai da página 1 à página 365
do jantar com a Ministra da Cultura
até ao jardim da Gulbenkian. 

Dos jovens sinto repugnância!
Já não respeitam Ninguém. Nem um
nem dois Camões nem as minhas barbas brancas
ou a minha enrugada pele de árduo trabalho.
Eu do meu alto púlpito um Deus desrespeitado
vou dando voz aos outros inocentes e
renegados Deuses –
uma espécie de ativismo
viril de sofá de couro! 

E do outro lado das suas lentes
(esta frase não é um verso porque
não me apetece que seja verso)
estava aquele nascido nos 80.
Acordava às 6 e trabalhava feito cão
até às 21. Não tinha contrato de
trabalho Segurança Social Não recebia
pagos os Feriados ou a Alimentação.
Pagava um renda de 1000 com os
seus míseros 600 euros de salário.
Estudara sempre a trabalhar como
escravo e não tinha bom emprego
porque não tinha sobrenome de Deus.
Aos domingos vai limpar a praia
do lixo que a geração dos Deuses
deixou a secar depois da Orgia.

“Eu sou uma vítima neste poema”
Dizia o Deus sentado no sofá.
“Por causa deste poema não consegui
trocar as minhas pantufas de crocodilo
por umas de cobra senegalesa.”
 

A Realidade a Realidade. Que sabes tu
desta nova realidade ou da dor dos mais jovens
sentado no teu cadeirão de asseado Couro?

 

 

AULA DE ARTE GREGA

 

“E Aby Warburg coroava, no Hall
                                           da biblioteca (cheio de teias de
  aranhas) a suprema ironia”

                                            V. T.

 

A Rui Maia

 

Se atravessares o rio Douro, verás a praça
de touros ou se preferires o labirinto sem
Minotauro; ou o palácio de malha vermelha
de Minos. Pátios e pátios num edifício que
já devia ter sido, há muito tempo, implodido. 


Não existe um Minotauro, é verdade, mas uma
claque de narcisos olhando-se ao espelho dia
e noite, dia e noite, dia e noite. Entre as aulas de
falsa geometria, há, entre outras aulas de enorme
utilidade, a aula mais cobiçada: a de Arte grega.

Com imagens timbradas a rosa, verás toda a arte
Grega: o Discóbolo; a Amazona; o friso de Fídias e
todo o Altar de Pérgamo com raios de cinza e
verde claro. Reflexos de sol, aqui e ali, trarão ao
Porto a grande distância da cidade de Atenas. 

“Como explicar o contraposto se não pelo desfile
em sala de aula? Assim será; pois, hoje trouxe o meu
calção rosa e a minha sandália de falso romano.”
E dizendo isso, desfilava entre as secretárias divididas:
raparigas feias de um lado, rapazes bonitos do outro.

“Já não estamos nas Monosobrancelhas da Meso-
potamia, como as do vosso colega; aquilo é falta de
pinça!”
Dizia o nobre professor, criando na boca
do aluno a devia resposta: “O professor é que tem
falta de Piça e convites recusados para 18 valores.”
 

É claro que nada disso aconteceu ou acontece!
Nada disso acontece quando se ensina ou se
aprende Arte Grega; somos todos muito puros!
E sentado na fila das secretárias dos bonitos
rapazes, o ilustre professor sorria, falava muito, 

esvoaça as mãos como se tentasse apanhar
alguma irritante mosca. Por vezes, fixava os
olhos, intensamente, sobre uma vítima, e
articulando palavras gregas, lambia, sensual-
mente, os lábios, para nojo de todos os rapazes. 

O triunvirato gay da sala cochichava baixo, ria,
anotava todas as parvoíces, fazia desenhos nos
cadernos: piças, bocas, cus, penetrações em
cinco ou seis linhas. O Ricardo era o mestre
em fazer da boca do ilustre a cabra de Apolo.

Ríamos que nem perdidos; e a cada riso, o
nobre professor excitava-se e falava mais
alto como se fosse um opositor de Platão,
enquanto imaginava-se sentado no colo
hirto dos três alunos, sobretudo do loiro. 

Sentados à secretária, rindo, desenhando,
fingindo não entender as flechas e bocas
de desejo, nós, os alunos, rapazes e jovens,
imaginávamos-lo cavalgando, feito louco,
sobre o frio e branco Fauno Adormecido. 

E quando um transmitiu a visão ao todo,
o riso foi de tal ordem que nenhum Deus
nos ajudou quando fomos, para nossa
satisfação, expulsos da aula de Arte Grega!
Hoje, o nobre professor de Arte Grega dá 


Crítica de Arte Contemporânea e tudo é
uma enorme chatice. Não há rabos e
peitos fortes, não há deuses e homens nus.
“O que é que isto? Digam lá! São só Rabiscos!”
E como “excelente” professor Acadêmico, 

que sempre foi, daqueles que tiram qualquer
vontade de aprender, diz “Nada supera a
Arte Grega a doçura do Fauno Adormecido
.” 

 

DO ANEDÓTICO

 

Um letrado, um fazedor e um poeta entram
num bordel de putas com cursos superiores.
O primeiro, de óculos de massa preta, pede
uma menina com filosofia contemporânea
feita. “Se possível com a mais alta nota”. O
que quer é falar sobre Derrida e Deleuze. 

O segundo, quase sem cabelos, pede uma
com ricos conhecimentos em História. Tudo
o que quer é buscar citações, aqui e acolá,
sobre o rir, o comer, o cagar e o foder, no
largo espectro temporal da vida na Europa. 

O terceiro, o poeta, não pede nenhuma.
Veio ao Bordel para fazer companhia aos
seus amigos paneleiros, que ainda não
descobriram que o são. Trouxe-os para
que se sentissem constrangidos face à
beleza e conhecimento de tais putas. O 

poeta não pede putas licenciadas, tudo
o que procura é unir dois pontos opostos:
os que não veem e os que só sentem!

 

 A ANATOMIA DE UM INVEJOSO

 

Como a pulga entre os pelos de
um tigre observava em silêncio
com olhos gordos a rica história
do seu mais leal amigo. 

Quando o vento soprou a poente
a tuba se abateu sobre ele e na
arrogância da imposição bateu
com os punhos sobre a mesa: 

“Aqui não quero aquela cereja
pois o bolo é só MEU MEU MEU.
Eu é que sou o verdadeiro Presidente
da Junta dos Leitores de Poesia ao vivo!”

E como um desenho animado -
um vilão de uma curta metragem
sem qualquer estrela - abria a boca
cheia de dentes e ria ria muito alto 

Como uma cascata imponente de
champanhe bela no início e tão
mísera e insignificante no final.  

                                                                

     VENENOS FARPAS E PUS

 

Venenos Farpas Pus Feridas Cuspidelas
Ranhos Ódios Invejas Egos Palavrões
Perdigueiros ocos Snobismos Ratoeiras
Inflamações Unhadas Nervos Irritações
- tudo isto forma a Forma Pura da Arte.

Há o mundo Há o embrião Há o corpo
interior Demónios mordendo as paredes
do intestino grosso estômago e esófago
Há essa eterna força do aprender primeiro
para depois chegar ao núcleo da máquina.
Para no fim dizer em voz alta como é inútil
a máquina - aquela que todos idolatram.  

A lucidez sozinha observa o pobre teatro.
Sempre foi assim e sempre será assim e
enquanto não chega o enorme meteorito
resta-nos implodir para o interior de nós
mesmos e como sempre fechar a janela.  

barberini_faun_small.jpg

Fauno Barberini/ “Fauno Adormecido”. Pormenor. Munique.

ANOTHER FUCKING READY-MADE e outros poemas

ANOTHER FUCKING READY-MADE*

 

Eu também faço
Ready-mades
sobretudo ao sábado
quando junto o Palmolive
(Shampoo vazio)
ao gel de banho (vazio)
e os enfio no lixo.
(Ah esqueci-me de nomear
a marca do gel. Valha-me
nosso Senhor Duchamp!) 

Tudo é ready-made
sobretudo ao sábado de manhã
quando encontro vomitado ao
lado de cervejas e garrafas de vinho.
Salve ó Baco!

 A culpa é da Fonte de Duchamp
que continua a pingar.
Por mais tela que se lhe enfie
ela continua a pingar.
Qualquer desgraçado Cu
rador essssstende uma gota
de Duchamp até ao infinito.
A culpa não é de Duchamp! 

Há quem diga que até este
poema é um ready-made
uma folha de papel higiénico
escrita num ápice. 

Eu não nego o ápice de lucidez!

 

*Título roubado a Maurizio Cattelan

  

BEAUX ART MAGAZINE

 

Warhol desejava 15 minutos de
fama para qualquer artista. Mas
15 minutos é hoje demasiado para
a Beaux Arts Magazine que resolveu
reduzir esse tempo para 2 minutos.
O que torna possível assim resumir
30 mil anos de Arte em 2 horas e
trinta minutos já com os 15 minutos
de intervalo muito bem inseridos. 

Warhol sabia que ser famoso era
ter tempo para calmamente fumar
o cigarro e mandar tudo o resto à fava
sobretudo a Beaux Arts Magazine.  

  

A GALERIA

Um cordão suspenso no meio da galeria.
Três folhas brancas coladas no vidro da montra.
Uma couve sobre uma caixa de papelão.
Um texto explicativo de 40 páginas com 25 citações. 

Originalidade Zero
Beleza ou Fealdade Zero
Anestesia 100% 

Sendo este curador pouco artista
dirá algo de interessante o seu texto? 

 

PO_ _ A

 

Complete o título se quiser.
Este é o quadro com números
do 1 ao 35.
Há que seguir as regras
pintar o amarelo no 6
pintar o verde no 9
pintar o laranja no 12.
Mas se não quiser não o faça
atire-me imediatamente para o lixo.
Não se importa o autor
nem mesmo este meu corpo. 

Entre quem quiser
se quiser
daqui não arredo o pé! 

Yeh… (assim baixinho)
Não use o preto dá-me arrepios
lembra-me a morte dos filhos
que nunca tive. Além disso e
talvez seja esta a razão principal
tenho medo do escuro! 

 

MUSEU

 

                           a José Pedro Moreira

 

HAPPINESS, HAPPINESS,
Saltando do vermelho para o
verde elétrico, o néon, virado para a rua,
apelava ao transeunte a entrar no Museu.
Será este o parque temático instalado
durante a noite?  
Recolhidas as mochilas, as crianças
eram livres de vaguear, como
peixinhos, pelas salas brancas.
No Olimpo, o silêncio é sempre
exigido, assim, uma velha senhora
de direita, desta nova direita e
do tempo da invenção da fotografia,
olhava, feita coruja, para toda aquela
“insubordinação”:
Xiuuuuuu!
E baixinho, para si mesma:
Que irritante! 

Deixadas as crianças pelas salas,
quase todas vazias, o pai
podia, finalmente, ligar o Tinder e
lavar os cansados e negros olhos.
Enquanto gritavam as crianças, para aflição
da velha coruja, o pobre pai ia sonhando
com uma mãe dedicada, boa na cama e
com uma pele lisa, rija e brilhante como
aquela escultura, ali ao fundo, de Koons.

Brilhante, sim, Brilhante.
Será pedir muito? 

de: “Lamarim” (2019)



 Jeff Koons - “Bailarina sentada”, 2011-2015.