Revisão

 O  1984  de George Orwell em processo de revisão

O 1984 de George Orwell em processo de revisão

Rever, reescrever um texto ad infinitum. Encontrar sempre mais um defeito, sendo às vezes, em boa verdade, só um jeito muito próprio de ser texto. Mas o revisor, autor-revisor, quer a perfeição, a exacta perfeição. Em vão, trata-se de um projecto assímptota, a aproximação preserva uma distância incomensurável (ia dizer “sagrada”) entre o que está escrito (que pode ser muito bom, até excelente, merecer louvores e tudo) e a perfeição. Trata-se, então, de buscá-la incessantemente e de nunca a encontrar (jogo infinito). Porque não existe? Não! Porque não se deixa capturar, está para lá do que perece e do que gera interpretações. Vive num plano que desconhecemos mas desejamos. Por capricho, às vezes, pretensiosismo outras, mas também por ímpeto sacrificial, de quem quer morrer o mais tarde possível para chegar à linha sintáctica exacta, encontrar as palavras certas para uma página inteira, compor a melodia fonética de um parágrafo digna dos primeiros aedos, em resumo: crescer em leveza. Philip Roth diz que deixou de escrever porque o processo de revisão é muito exigente, no seu caso demorava o dobro do tempo da escrita. Mas talvez possamos escrever só para podermos rever, custe o que custar. O esboço é a matéria a que nos atiramos para alimentarmos o nosso desejo de perfeição, partimos sempre de detritos verbais. Escrever não para comunicar (haverá coisa mais vulgar?), escrever para abrir o caminho da revisão, longo, angustiante e entusiasmante (como uma amante que parece não nos amar), em direcção à perfeição. Tudo isto porque, como diz Italo Calvino, “A mentira não está no discurso, está nas coisas.”