Barbara Stronger, Cabra bem cabra

 

Barbara Stronger

Cabra bem cabra

 

Poesia

Enfermaria 6, Lisboa,
Agosto de 2018
50 pp

 
 

Três desenhos da Carla Diacov
no Instagram: I – 14 de Maio, 2018


O primeiro desenho do mundo
nasceu, não da sombra do homem, mas
do ventre de Eva, quando esta
dava à luz Caim.

Suada em dor,
sentia o rosto entre os dedos com o
sangue do seu ventre.
Purificava os lábios e enchia o cansado
corpo de vitória:
vencera a morte pela primeira vez.

Despenteada, desfeita, tudo o que
tinha a oferecer era uma constelação
infinita no olho direito, aquele espelho
da História do mundo.

 
Barbara Stronger - Autorretrato. 11.06.18.png

Barbara Stronger

Nasceu em Toronto, em 1983, filha de pais emigrantes açorianos. Estudou Letras em Montreal e fez Tese sobre Paul Celan. Pinta Tondos Abstratos ao Domingo. Solteira. Lésbica e feminista. Vive atualmente no Porto, onde trabalha em part-time, no McDonald’s das Antas, para comprar Whisky e livros.

Fernando Guerreiro, Noites na Enfermaria

Fernando Guerreiro
Noites na Enfermaria
ensaios sobre cinema

A publicação digital Noites na Enfermaria é parte do livro Imagens Roubadas, de Fernando Guerreiro (Enfermaria 6, Novembro de 2017)

Enfermaria 6, outubro de 2017, 46 páginas

[Ler e descarregar livro]

[Textos de Fernando Guerreiro na Enfermaria 6]


Sobre o autor

Fernando Guerreiro é docente na Faculdade de Letras de Lisboa de cadeiras de cinema sobre o qual tem escrito, nomeadamente na revista Vértice.

Publicou os livros de ensaios: Negativos (1988), Art Campbell (1994), O Canto de Mársias (2001), Italian Shoes (2005) e, mais recentemente, Cinema El Dorado – Cinema e Modernidade (2016).

Luís Chacho, Vida mulata

capa.jpg

Luís Chacho
Vida mulata
ficção

Enfermaria 6, setembro de 2017, 42 páginas

[Ler e descarregar livro]


Beber sem pressa é poesia, palavras compostas dos outros pelas costuras de outros ainda. Sou das narrativas, quando muito, tensas. Aí, concedo, sou língua ressuscitada. Um espírito que se dessolidariza lateral à carnadura, desenhada esta por braços insuficientemente diurnos, para delinear uma sombra.

Bater bater no Yuri: banda sonora

Seguindo a publicação do nosso ultimo livro digital, Bater bater no Yuri de Carla Diacov, pedimos à autora para nos dar uma playlist para o livro. O resultado foi esta compilação.

Tem Leonard Cohen, Chelou, The White Stripes, Jack White e Feist. Uma banda sonora lírica e sofisticada, superficial e complicada. Prometemos que cada uma destas canções oferece perspectivas completamente literais sobre certas vivências. Canções que falam do azul eléctrico e da ideia de que um homem não é a sua canção, que aceleram a um rítmico de mazurca e terminam abruptamente, deixando uma presença que permanece, quando o fundo parece estar a esvanecer-se lentamente. Ou seja, as canções certas para um livro que é também tudo isto. É esta a nossa sugestão para hoje.