Carta a Violante de Cysneiros

“Folhas mortas e flores vivas

   Pó da terra e diamantes”

          - Antero de Quental

 

Ribeira Grande 11 de Janeiro de 2019.
A caridade entre nós querida Violante
é a mais branca pérola perdida algures
no meio do Atlântico. Se a vires entre
as mãos de um marinheiro finge que
nunca a viste. Não te quero em maus
lençóis. Quero-te bem. Fala-me dos
teus pequenos poemas e daquilo que
te preocupa. Eu deste lado sou uma
mulher de cabelos embebidos em whis
ky. Prefiro embebedar-me a submeter
-me a esse frio covil de homens. Es
crevo-te ansiosa para que me enten
das deste lado do espelho. Que posso
eu dizer-te da nossa pequena ilha? O
ulisses ainda não regressou, passa
pouco por cá e a Eleonor teima
em dizer que nada disto é poesia.
(E tem muita razão neste caso).
Acrescentaram-se casas estradas
pontes e mudaram três vezes a
placa do Gaspar que saiu do seu
jardim. O Raúl Milhafre manda visi
tas e continua a ler apenas o Antero
que para ele chega o que entendo.
Mas para meu espanto disse-me ele
no outro dia que muito apreciou o
poema da Barbie da Lourenço. Teve
espírito aberto para a novidade e a
gostou da jovialidade da Lourenço.
Manda notícias pequena querida!
Como está a Rosalina a Natividade
e a Dorvalina? A essas três mortas
manda-lhe flores se as houver por aí.
Aqui tirando as hortênsias azuis e
brancas tudo murcha! É do marasmo!
Mas para não te apoquentar mais fica
descansada pequena: Nada mudou.
Agora elas pintam as unhas e os lábios
são de vermelho intenso mas o esterco
é o mesmo. Olha a filha do Padre José
já não é puta. Ganhou as eleições e é
vê-la na procissão do Senhor toda
emproada. Casou com o baboso do
Pedro Rui e os dois governam a cidade
com a sua pequena empresa de Cortes
& Enchidos
. Metem ao bolso o dinheiro
da festa e ainda os subsídios do governo.
O professor De Mello já saiu do armário
além de paneleiro agora virou surfista
coisa que sempre foi entre as palmeiras
de Sant’Ana e as naves de S. Sebastião.
Da tua e sempre Sagrada Barbara Stron
ger. Ps -manda cumprimentos ao Silveira.

Barbara Stronger

6291794_EdPvR.jpeg





Bang Bang, Kiss Kiss

“One dream, one

 life,   One lover”

- Lana Del Rey

 

Volta perdida fé. Cai sobre mim como uma cascata de espuma,
como a espuma melada daquela noite na discoteca. Aquela
que deixou os meus seios ainda mais generosos à gravidade
do som, ao desejo ardente das que pouco trouxeram consigo.
Volta perdida fé. Não a de tias obcecadas com homens de saias,
em missas de perdido tesão, sem vinho digno, nem rock sobre
a mesa. Volta perdida fé. A mais simples. A dos dias. Aquela
que me diz ao ouvido que no amanhã nascerá pura a flor do
mais suave  arco-íris. Que me contas, hoje, tristeza? Deixa 

a pureza da minha solidão sozinha entre as silvas. Esquece o
doce mel das bocas molhadas das mulheres que amaste. Segue
em frente, ao precipício do fim, sem nunca voltar o rosto frio
ao passado. Perde-te pelas ruas que não conheces. Deixa-te
adormecer nos pesados livros e sonha que tudo será possível:
a renascida flor, a pistola de plástico, o beijo, sempre o beijo.  

Volta perdida fé. A fé nos dias. A fé nos homens, nos gestos
inclassificados e cheios de generoso Amor. Sim, o puro Amor.   

Barbara Stronger (sem acento)

Butcher Billy.jpg

Butcher Billy (pormenor)


Biblioteca

“It took me a really long time to realize that

art is actually a process of removing anxiety”

Jeff Koons

Ninguém tem culpa
ouvi ao passar pelo corredor.
As duas falavam mal de alguém
mas não sabia quem.
(falar mal aqui sempre foi natural
mistura de alguma razão com frustração). Entrei.
Demorei a escolher o livro
ia da parede da pintura
à parede da poesia sem me decidir.
Demorei sim demorei
mas lá escolhi o livro certo. 

Já está? Vai demorar muito mais?
Tem de se despachar!
E na cabeça de quem dizia isto
vinham as imagens prensadas de pressões diárias
e os momentos de humilhação
sair às 8h em vez das 7h
ouvir o evento R, T, S, X, Y sem interesse
aturar a birra de um ou outro luminoso astro
que por ali passasse com muita pressa.
Sou ia dizendo para os seus asseados botões
uma lutadora Luto todos os dias por esta
cadeira que é minha.
Tenho de afastar estas tipas pois ninguém
me roubará o lugar
o meu ganha pão de boa secretária
obediente
(um girassol murcho)
A escrava segundo alguns
A passiva-agressiva segundo outros. 

Compreendi o Ninguém tem culpa
 a culpa daquela eterna irritação. E esse raio
permitiu-me entre o já está e o
despachar
conter a minha língua de loira agressiva
antes de disparar em flecha alguma
palavra afiada
e ser outra vez uma mera mal educada.

 Sim todos temos culpa
culpa dessa exploração
culpa por só pensarmos no livro
antes de te dizermos Bom dia
de irmos a correr na busca incessante
(que não levará a nada)
do paladar do saber poético
e negarmos-te
provavelmente
a mais uma pausa merecida
em silêncio
num dia esgotante
a arrumar livros cheios de pó
entre a tua insatisfação e a tua rinite alérgica.


Barbara Stronger
23.02.19

Jac Leiner - Hip-Hop book, 1999-2000..jpg

Jac Leiner - “Hip-Hop book”, 1999-2000.

Gente louca

“O crime perfeito existe.“

           - Edgar Allan Poe

 

“Alfred, let’s go Shooping”

             - Bruce Wayne

“Misturo, logo existo!”

Terá dito o velho Senhor da

antiga e velha Casa Senhorial, aquele que

gritava nas noites mais frias do ano.

Um pé de Orquídea,

entre brancas Margaridas,

pontuava o altar da sala escura,

carregada de pesados veludos vermelhos,

carcomidas cadeiras de estofo verde-garrafa

e muitos, muitos quadros de pouca, ou

nenhuma, importância.

Aos pés da mesa central,

a espessa e redonda carpete ouvia as vozes

dos convidados:

um anarquista, um religioso imoral,

um fala-barato, o dito Senhor,

um cocheiro louco e

um poeta.

 

Ao entrar na sala, a esposa, com a

Aguardente, por pouco não

entornava a grande coluna,

sobre a qual assentava o escondido

Segredo. Balançado o altar,

o crime foi assim revelado:

um pergaminho revestido com cromos

da Seleção Nacional de 2016 e

do Batman de 1989.

O poeta só teve tempo para

arregalar o olho e dizer:

(para espanto de todos)

“Gente louca, Vou-me embora!”.

Barbara Stronger (sem acento!)

 

MV5BMjI2Y2NiNWItM2RjMy00ZWQyLThhOWUtOWIwZjExYmI1OGNiXkEyXkFqcGdeQXVyNTAyNDQ2NjI@._V1_.jpg

Cisne

  “I keep on fighting against God

In such a dirty, cruel place”

                                 Björk

 

 

Se houvesse cetim suficiente,
que me cobrisse a cintura larga, eu 
seria um conjunto de penas brancas
esvoaçando num lago gelado da Islândia. 

Porventura teria cantado, depois de subir
as escadarias vermelhas ou, simplesmente, depois
de ser condenada à morte.
Preferia, sim, correr e cantar em cima de
um comboio em movimento
a ter de contar as desaventuras da minha,
inexistente, vida sexual. Estão a ver o pantanal?
Isso, mas sem nenhum animal,
sem onça ou bico longo. 

Pobre de mim? Não. Quero que se fodam
os Homens, que me desejam, e as mulheres,
que me evitam. Quero, sim,
 a liberdade!
Acima de tudo, poder cantar com aquilo
que me caiu em sorte e
não pensar muito. Deixo
o pensamento para
os que têm, realmente, tempo.  

Se o cisne, enrolado no meu pescoço,
cantasse a minha morte, eu
jamais seria este corpo. 

Neste cetim branco, ele canta
a minha invisível garganta.

ng-6de3606a-2c1a-4477-80c9-55d1af1849a2.jpg

Leda e o Cisne, Pompeia.